Historicar, pesquise pela placa todo o histórico do veículo.

Historicar, pesquise pela placa todo o histórico do veículo.

Historicar, pesquise pela placa todo o histórico do veículo.

Historicar, pesquise pela placa todo o histórico do veículo.

ENTRAR

CADASTRAR-SE

X

Ei, você aí!
Que tal um
descontão na
sua consulta?

HISTORICAR10

É muito simples, basta colocar o código acima na caixa de cupom
localizada na tela de confirmação da placa. Obs: É apenas um uso por usuário.
X

Acesse sua conta

X

Criar sua conta

Ao se cadastrar você está aceitando
os termos de uso.

CADASTRAR-SE Já é cadastrado? Clique aqui.
X

Recuperar Senha

ENVIAR
X

Termos de Uso

X

Exemplo da Consulta Completa Historicar

05/12/19

Carros elétricos e híbridos

  • Início
  • Blog do Historicar
  • Carros elétricos e híbridos
  •  Atualmente, por conta da grande poluição gerada pelos motores de carros movidos a combustão, começa a se ver alguns lançamentos de carros híbridos e carros elétricos. Seria então a solução dos problemas do meio ambiente, mas será que os modelos elétricos são mesmo zero poluição?

    Carros elétricos 

     Os modelos elétricos possuem um sistema totalmente alimentado por bateria recarregável, sendo assim, dependendo somente da eletricidade. Para recarregar um veículo elétrico na tecnologia de hoje por completo, é necessária de 6 a 12 horas. Ou seja, utiliza o veículo de modo urbano e à noite deixá-lo carregando. O veículo elétrico perde no quesito autonomia e também não temos ainda um preparo sobre as estações de recargas ao longo de um trajeto, para quem pretende percorrer uma distância maior.

     Em comparação a um veículo movido à gasolina, a economia é muito grande, uma vez que até o momento a luz é mais em conta que o combustível. Para se ter uma ideia, um veículo movido a gasolina em um percurso de 100 km, teve o gasto médio de R$15,00 de combustível e teve 18,2 gramas de CO2; já o veículo elétrico no mesmo percurso teve um gasto médio de R$8,00 e nenhuma emissão de CO2.

     Vendo de todos os ângulos, não é correto afirmar que o carro elétrico é zero poluentes, pois para o seu funcionamento, é necessária uma bateria de lítio-íon e também eletricidade. Para a confecção de uma bateria é necessário óxido metálico de lítio, cobalto, manganês, ferro fosfato e grafite. Além disso, para a fabricação ainda é utilizado uma grande variedade de óxidos como níquel, alumínio etc. Tanto como o petróleo, todos esses recursos com a demanda crescente podem acabar ficando escassos em aproximadamente 80 anos.

     O descarte correto das baterias também é um assunto que já preocupa muitas empresas. As baterias dos veículos elétricos possuem uma vida útil de até 10 anos, e ainda não há uma padronização do destino e reciclagem delas. Com certeza, será um desafio para o setor nos próximos anos.

    Carros híbridos 

     Diferente do veículo elétrico, o modelo híbrido funciona com duas diferentes fontes de energia, à combustão e à eletricidade. Eles podem funcionar tanto individualmente como em conjunto. Durante o uso do veículo, é feita a troca do motor automaticamente, e não é nem percebido pelo condutor.

     O que acontece é que o motor à gasolina auxilia a recarga da bateria de alta tensão, que alimenta o motor elétrico. Assim como os freios regenerativos, que recuperam a energia que geralmente era perdida para recarregar a bateria elétrica.

     Uma boa vantagem do híbrido sobre o elétrico, é que não depende de uma estação de recarga e tem uma manutenção igual ou até mais em conta que os veículos convencionais. Em congestionamentos levam ainda mais vantagem, pois é utilizado somente o motor elétrico com frenagem recarregável.

    As adaptações 

    Ainda não vemos muitos modelos híbridos e elétricos no país, por conta de falta de incentivos e o custo elevado. Um veículo elétrico custa em torno de R$160 mil e um híbrido na casa dos R$120 mil. Como toda novidade trás dúvidas, ainda não se sabe como será a sua desvalorização, manutenção e os investimentos em estradas com abastecimento de estações de recargas e adaptação das casas com tomadas especiais.

     A questão da luz elétrica ainda é um ponto importante a se destacar. Relembramos o caso de 2001, que ocorreu o grande “apagão”. O brasileiro se obrigou a racionar o uso da eletricidade e mudança de hábito. Em 2017 fomos ameaçados com a lembrança do fato, onde se cogitou o racionamento novamente, mas de acordo com o Ministério de Minas e Energia, foi descartado.

     Pode-se concluir que o carro elétrico não é tão eficiente ainda e não poluente como dizem ser. Ainda é necessário muito investimento e pesquisa para encontrarem soluções para torná-lo não poluente. O etanol ainda é uma alternativa menos poluente e mais eficiente em termos de autonomia que o carro elétrico, dando destaque aos carros híbridos movidos à etanol.

    • HISTORICAR
    • Dicas
    • Carros elétricos
    Compartilhar:

      Posts Relacionados

    • Por que consultar o histórico de um veículo?

       Em épocas de fim de ano, o número de compra de veículos aumenta consideravelmente. Nessas horas, a ansiedade de ter a nova aquisição pode acabar atrapalhando no momen...

      Ler mais
    • Entenda a diferença entre CNH cassada e suspensa

       Antes de explicar como resolver cada caso, vamos explicar as diferenças entre uma CNH cassada e suspensa.

      CNH SUSPENSA

       ...

      Ler mais
    • Tudo o que você precisa saber sobre água do radiador

       O grande problema de abastecer com água de torneira é que ela possui muitos compostos minerais e em algumas regiões do Brasil, onde é chamada popularmente como “&aacut...

      Ler mais